| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • Whenever you search in PBworks, Dokkio Sidebar (from the makers of PBworks) will run the same search in your Drive, Dropbox, OneDrive, Gmail, and Slack. Now you can find what you're looking for wherever it lives. Try Dokkio Sidebar for free.

View
 

10cgrupo8

Page history last edited by Fernanda Ledesma 9 years, 6 months ago

"Nos passos de Magalhães"


Homepage | O autor e o livro | Grupos | Fases da atividade | Tutoriais |


 

10º C

Grupo 2  | Grupo 4 | Grupo 5 | Grupo 6 | Grupo 7 | Grupo 8 | G8 pág 2 | G8 pág 3Grupo 9 Grupo 10 |

 


 

Obra: Nos Passos de Magalhães: uma volta ao mundo baseada nas viagens do maior navegador português da História.

 

Autor: Gonçalo Cadilhe     

 

 

Apresentação Gráfica Final 

 

 

 

 


Pesquisas do Grupo

 

                                                               

 

 

Introdução ao tema 

http://www.rtp.pt/wportal/press/pdf/dossier_imprensa.pdf

 

 

Ao longo de sete meses, percorrendo 15 países e atravessando três oceanos, Gonçalo Cadilhe seguiu a vida e as viagens de Fernão de Magalhães, o maior navegador português da História da Humanidade.

 

Da luminosidade equatorial das ilhas Molucas ao vento gelado da Patagónia, dos caminhos medievais de Espanha aos monumentos coloniais das Filipinas, da Lisboa de D. Manuel I ao Marrocos português de quinhentos, seguimos Gonçalo Cadilhe numa moderna e trepidante volta ao mundo.

 

Com a imprescindível mochila às costas e o polegar estendido, apertado nos autocarros precários do terceiro mundo ou sentado em tascas onde o prato do dia é cão esquartejado com molho de malaguetas, Gonçalo Cadilhe propõe-nos um documentário algures entre um programa de viagens e um programa de História universal, com uma abordagem divertida, despretensiosa e informada.

 

A versão televisiva “Nos Passos de Magalhães” resultou de uma ideia de Daniel Deusdado e Nuno Artur Silva, a partir da viagem desenhada por

Gonçalo Cadilhe. A adesão desde o primeiro momento ao projecto por parte da do director da RTP2, Jorge Wemans, tornou esta expedição numa singular série televisiva de oito episódios nunca antes realizada.

 

Cinco séculos depois, o feito de Magalhães continua – apesar de considerado um dos mais notáveis de toda a história da navegação – relativamente pouco explorado. Gonçalo Cadilhe segue a rota do navegador, mostra as terras e as gentes que ele terá visto e revela-nos quem era o homem que realizou a primeira viagem de circum-navegação.

 

Programa 6: Magalhães parte pelo Atlântico à procura de uma passagem para o Pacifico. Com Gonçalo Cadilhe na América do Sul, do calor carioca ao Inverno na Patagónia, conheça as etapas, os motins, os dramas da primeira circum-navegação do Globo.

 

Os vídeos não estão disponíveis, apenas este vídeo que resume a obra.

 

http://vimeo.com/11745324

 

 

 Resumo:

 

  • No percurso comum de todos nós, seres humanos ao longo dos milénios, ou seja, na História Universal, surgem três homens que, sem grande polémica, são considerados os maiores navegadores de sempre.
  • Um deles é o capitão James Cook, um inglês; outro é o almirante Cristóvão Colombo, um italiano e o terceiro é um português.
  • Fernão de Magalhães é considerado o maior navegador português da História da Humanidade.
  • A vida de Magalhães dava para escrever não apenas um, mas vários livros e de facto, foram escritos. Dava também para fazer não apenas uma, mas várias viagens, e foi isso exactamente o que eu fiz.
  • Em 1505, D.Manuel envia uma imponente armada para a Índia. Comanda-a D.Francisco de Almeida e a sua missão é lançar as bases do Império Português do Oriente.
  • Sabemos com alguma certeza o percurso de Magalhães durantes estes ano: graças ao seu valor e heroísmo, sai lentamente do anonimato e começa a aparecer nas crónicas da época.
  • Sabemos também que em Janiero de 1507 se encontra com Afonso de Albuquerque que acaba de ser enviado por D.Manuel para o Oriente na Ilha de Moçambique.
  • Em Agosto de 1509, Magalhães participa na missão de reconhecimento comandada por Diogo de Sequeira que descobre para a Europa, a localização de Malaca (Malásia), o mais rico emporio comercial da Ásia.
  • Em Cochim (Índia), em Outubro de 1510, Afonso de Albuquerque reúne um conselho de oficiais para ouvir opiniões sobre o assalto a Goa. Um assunto polémico, pois muitos militares não concordam com esta acção. Magalhães é um dos oficiais convocados.
  • O que é de realçar é que em apenas quatro anos, Magalhães passou de soldado anónimo ao serviço de Francisco de Almeida, para um posto de capitão ao serviço de Albuquerque.
  • Para alguns autores é possível que em 1512, Magalhães tenha integrado a primeira expedição europeia que alcançou as míticas Ilhas das Especiarias e que tanta importância terão no destino do navegador. Uma coisa é certa: no início de 1513, Magalhães regressa a Lisboa.
  • Em Portugal a vida não corre bem a Magalhães, sem dinheiro e sem trabalho. O rei D.Manuel recusa-lhe o pedido de aumento de uma pensão e Magalhães talvez para se tornar mais ''simpático'' aos olhos do rei, talvez para subir na carreira militar, decide participar numa expedição que se dirige a Marrocos para punir e conquistar a cidade de Azamor.
  • Depois de dois anos em Azamor, Magalhães regressa a Portugal, mas por razões ainda hoje pouco esclarecidas, cai em desgraça na corte.
  • Em 1517 sem perspectivas de voltar a navegar e, cheio de rancor contra D.Manuel, Magalhães decide voltar as costas a Portugal, renegar a nacionalidade portuguesa e tentar melhor sorte em Espanha.
  • A proposta de Magalhães era de encontrar uma rota para as Ilhas das Especiarias que navegue pela metade espanhola do mundo e comprovar que, ao contrário do que os portugueses apregoam, estas ilhas pertencem a Espanha pelo Tratado de Tordesilhas.
  • No dia 21 de Setembro de 1519, a expedição de Magalhães levanta âncora e inicia aquela que será a maior aventura de navegação de todos os tempos.
  • Magalhães é o primeiro homem a explorar o sul da América do Sul; a descobrir uma ligação entre o Atlântico e o Pacífico; a atravessar esse mesmo Pacífico ao qual ele próprio dá o nome e a descobrir para a Europa, a localização das Filipinas. Magalhães ao longo deste processo, comprova também pela primeira vez na História da Humanidade que a Terra é de facto, redonda e que pode ser circum-navegada.
  • Luís Filipe Thomaz (Universidade Católica Portuguesa): ''De facto, essa travessia do Pacífico por Magalhães, para mim, é o maior rasgo de audácia da História da navegação mundial''.
  • Depois de atravessar o Atlântico Sul, a aramda chega por fim ao continente americano a 13 de Dezembro de 1519.
  • Magalhães baptiza a baía onde atraca com o nome de Santa Luzia. Hoje, é mundialmente famosa com o nome de Guanabara (Rio de Janeiro, Brasil).
  • À medida que os navios avançam para o sul, a navegação torna-se cada vez mais difícil. O terrível inverno do Atlântico Austral, obriga por fim Magalhães a parar.
  • Ao fim de dois meses em Porto San Julián (Patagónia, Argentina), sem qualquer vestígio de presença humana, aparece finalmente, um índio na praia.
  • Magalhães achou que estes índios tinham uns pés enormes e daí o nome da Patagónia, a terra dos Patagões. 
  • Depois de três horas de viagem, Gonçalo Cadilhe chega a Ponta Dungeness no Estreito de Magalhães.
  • Explicador: Avançam pelo canal até ao segundo desfiladeiro. San Gregório.
  • Magalhães encontra o fim do continente americano e descobre a passagem entre os dois oceanos, hoje conhecida como Estreito de Magalhães.
  • Explicador: Estão já  no que aparentemente procuravam. Para sair do Pacífico.
  • A expedição tem sorte. Quando sai do Estreito, apanha dias de perfeita calmaria no oceano mais violento do planeta. Iludido com as condições de mar, Magalhães baptiza o novo oceano com o nome que lhe parece mais apropriado, Pacífico.
  • Magalhães atira-se a um oceano perfeitamente desconhecido, com uma bravura genial.
  • Os homens do Renascimento sabiam menos deste mar do que nós hoje sabemos do Universo. Magalhães pensa que duas semanas chegam para o atravessar. Serão precisos quase quatro meses, mas o navegador consegue intuir o sistema de ventos, colocar-se na latitude ideal e atravessar o mais resistente oceano do mundo com uma ''precisão cirúrgica''.
  • A armada avista finalmente terra em 6 de Março de 1521.
  • Magalhães lança âncora na baía de Umatac, na ilha de Guam (Micronésia), precisamente quando os alimentos estão no fim e a tripulação está no limite da sobrevivência.
  • Da Micronésia às Filipinas é um ''pulo''.Em poucos dias, a aramda chega ao arquipélago, celebra alianças com os reis locais e introduz o Cristianismo na região.
  • No dia 31 de Março de 1521, dia de Páscoa, Magalhães ergue uma cruz e celebra missa na pequena ilha de Limasawa. É o primeiro dia do resto da vida das Filipinas.
  • Magalhães prossegue para Cebu, já na altura, a principal cidade da região, torna-se amigo do rei de Cebu- Humabon, converte a família real e centenas de habitantes ao Cristianismo e convence Humabon a tornar-se vassalo do rei de Espanha, iniciando desta forma simbólica, a colonização espanhola das Filipinas.
  • Lapu-Lapu, o cacique súbdito (vassalo) do rei de Cebu, recusa prestar vassalagem ao rei de Espanha e converter-se ao Cristianismo. Magalhães não pode aceitar esta afronta e declara que vai dar uma lição a esse impertinente Lapu-Lapu.
  • A batalha de Mactan não foi um erro imperdoável de Magalhães, foi uma quantidade de erros imperdoáveis. O lugar escolhido-um recife exposto à maré vazia; o número de tropas: cinquenta espanhóis contra dois ou três mil nativos; a retaguarda desprotegida; a retirada não assegurada; a quantidade de munições utilizada, enfim...etc, etc,etc... Nem a valentia lendária de Magalhães desta vez será suficiente. Num último gesto sacrificial, Magalhães deixa-se ficar para trás, a cobrir a retirada dos seus homens. Os espanhóis fogem derrotados, Magalhães jaz morto na praia e o seu corpo nunca será recuperado.
  • Magalhães não foi o primeiro homem a circum-navegar o globo. Foi apenas o homem que descobriu a metade desconhecida do mundo.
  • Magalhães empreendeu a maior aventura de navegação de sempre, completando a travessia inaugural do Oceano Pacífico e permitindo a primeira volta ao mundo levada a cabo, não por ele, mas por um dos seus pilotos, o basco Juan Sebastian Elcano.
  • Foi Elcano quem conduziu a expedição de regresso a Espanha. Feito de navegação, também ele, extraordinário, mas na metade conhecida do mundo.
  • Estes são os factos da biografia de Magalhães, a vida de um homem resumida em poucos minutos.

 

 

Magalhães disse: ''Eu vou descobrir uma rota que permite chegar às Ilhas das Especiarias sem passar pelo lado do hemisfério português'' - http://www.youtube.com/watch?v=j-T2FNohuoI

  

Esta expedição irá mudar quer a vida de Magalhães, quer os destinos da Humanidade. 

 

 

 

Ver também: http://www.youtube.com/watch?v=vIC3BATM0EU

 

 

 

BIOGRAFIA DO AUTOR

 

Gonçalo Cadilhe nasceu na Figueira da Foz em 1968. Licenciou-se em Gestão

de Empresas na Universidade Católica do Porto, em Setembro de 1992,

fazendo parte da primeira “fornada” de licenciados deste curso. Durante os

anos da Universidade frequentou também a Escola de Jazz do Porto. Depois

de uma breve passagem pelo mundo da Gestão de Empresas, em Abril de

1993 começou a viajar e a escrever sobre viagens de forma profissional.

 

Nos primeiros anos da sua carreira de “viajante profissional”, para além de

esporádicas colaborações em algumas revistas portuguesas, extremamente

mal pagas como seria de esperar, exerceu também as seguintes actividades:

músico da banda de Claudia Pastorino no night-club "Sapore di Mare", Rapallo,

Riviera Italiana (Primavera Verão 93); Vindimador no Médoc (chateau Lynch-

Bages) e em Sauternes (Chateau Suduiraut) (outono 93); Operário não

qualificado no estaleiro de iates Saint-Germain, em Lavagna, Itália (Inverno 94);

Responsável pelas reservas hoteleiras na estância de ski de Madonna de

Campiglio, Alpes Dolomites, Inverno 94-95; Empregado de mesa no famoso

restaurante “Puny”, em Portofino, Itália (Primavera-Verão 95)

 

A partir de 1996 dedica-se exclusivamente à escrita e publicação de

reportagens de viagem. Ao longo destes anos colaborou com a extinta “Grande

Reportagem”, ainda sob a direcção de Miguel Sousa Tavares, com o

“Independente”, com a “Elle” e com a “Epicur”. Actualmente centra a sua

relação com o “Blitz”, a “SurfPortugal” e sobretudo com o “Expresso”.

 

Em Dezembro de 2002 inicia uma viagem à volta do mundo sem transporte

aéreo que irá durar 19 meses, percorrerá 38 países e irá sendo publicada

semanalmente, “em directo”, no Expresso. Desse périplo resulta o livro

“Planisfério Pessoal”, editado em Maio 2005 pela Oficina do Livro, actualmente

na sexta edição.

 

Seguem “No principio Estava o Mar”, recolha de crónicas sobre surf editadas

na revista Surf Portugal (Dez. 2005, Prime Books, 3ª Edição); contos de

viagens em “A Lua Pode Esperar” (Junho 2006, Oficina do Livro, 4ª edição); e

“África Acima” (Maio 2007, Oficina do Livro, 5ª edição), que recolhe as

reportagens de uma travessia terrestre de 8 meses desde o extremo sul ao

extremo norte do continente africano. Este livro encontra-se inserido no Plano

Nacional de Leitura.

 

 

Nomes mencionados no livro organizados.docx  

 


 

 

Tema 8- Atlântico Sul

 

Constituição do Grupo: Inês Reis nº14; Patrícia Severino nº22 e Rafaela Vale nº24.

 

Guião Geral:

  

Magalhães                                                                                                             Gonçalo Cadilhe                                             

 

Os riscos da viagem (evitar confrontos com portugueses)

Brasil- Baía de Guanabara

António Pigafetta CRÓNICA

O Motim

Os Patagões

 

O Estreito de Magalhães-

 

Terra do Fogo (Argentina e Chile)

 

 

 

Brasil- Baía de Guanabara 

Uruguai-Montevideu-Marcelo prof/alfarrabista

(o rio da Prata)

Baía de San Julían- Início de tudo

 

 

Dungeness- Lugar mágico

Cerro Dinero

Punta Arenas- Chile

 

 

Guião Específico:

 

Os trabalhos devem todos mostrar o percurso de Magalhães num dado espaço e o que Cadilhe fez, por onde andou, o que visitou para "refazer" os passos do homem que ele admira.

Neste caso concreto:

Como foi a viagem pelo Atlântico Sul? Como chegou até nós esse registo?

E Cadilhe, por onde anda?

O que visita?

Que informações recolhe?

Integrem citações da obra e imagens!

    


 

 

 

 

CAPÍTULO V- ATLÂNTICO SUL (PÁG.93 À PÁG.124)

 

 

SUB-CAPÍTULOS:

 

  1. A ESCOLHA DE CARVALHO (PÁG.95 À PÁG.98)

  2. LETRAS A BORDO (PÁG.99 À PÁG.102)

  3. RETALHOS DE HISTÓRIA (PÁG. 103 À PÁG.108)

  4. MOTIM NO FIM DO MUNDO (PÁG.109 À PÁG.114)

  5. NA PATAGÓNIA (PÁG.115 À PÁG.120)

  6. UM ESTREITO SEM NOME (PÁG. 121 À PÁG.124)

 

 

 

A ESCOLHA DE CARVALHO (PÁG.95 À PÁG.98) 

(Por causa do desembarque na região conhecida por João Lopes de Carvalho)

 

Gonçalo Cadilhe está em Sanlúcar de Barrameda, Espanha. 

                                  

 

 

 

Sanlúcar de Barramenda:

  • é uma localidade pequena;
  • tem nas suas proximidades: um parque natural, um castelo na colina e uma igreja quatrocentista (século XV). 

 

 

 Porque foi este local importante?

 

Este lugar foi importante porque foi foi na igreja de Sanlúcar que a tripulação da Armada das Molucas-era este o nome- celebrou a última missa em solo europeu, no dia 20 de Setembro de 1519.

 

O que pediram os homens nas suas orações?

 

Na tal missa do dia antes da partida, os homens fizeram um pedido óbvio nas suas orações: o de regressarem um dia-o que era pouco provável, mas já estes o sabiam.

 

Quando saíram os navios?

 

No dia seguinte de madrugada, a 21 de Setembro de 1519, os navios levantaram âncora, dando início à maior aventura de navegação de todos os tempos.

 

 

 

O que motivou os homens da Europa a entrar para o navio dos Descobrimentos?

Para os que subiam para a ponte de comando (compartimento do navio a partir do qual é comandado): 

  1. a Glória- a Fama/Vitória/Honra;
  2. o Poder- a Importância;
  3. a Cobiça- a Ambição;
  4. o Proselitismo religioso- empenho para converter uma ou várias pessoas a uma determinada causa, ideia ou religião= a conversão ao Cristianismo;
  5. a Noção do Dever- a obrigação de.

 

Para os que ficavam no convés, dormiam no porão, comiam biscoitos podres e bebiam vinho azedo, os marinheiros anónimos:

 

  1. Qualquer alternativa seria melhor ao dia-a-dia da cidade medieval europeia;
  2. Fortuna fácil através da pirataria (roubos) e da especulação comercial (''enganar os negociantes dizendo que uma coisa vale mais ou menos do que o seu verdadeiro valor, de modo a ganhar algo/ter benefício)
  3. Desejo de aventura.

 

 

Como era o dia-a-dia da cidade medieval europeia? http://www.sohistoria.com.br/ef2/medieval/p7.php

 

  • a população estava concentrada no campo (cerca de 80% da população);
  •  a média de vida na época, não ultrapassava os 40 anos de idade;
  •  era comum a morte de mulheres durante o parto e os homens jovens morriam nas guerras ou vítimas de doenças para as quais ainda não se conhecia uma cura;
  • a religião era a autoridade da época- as pessoas  procuravam viver de acordo com os mandamentos da Igreja;
  • o surgimento de doenças eram resultado da ira divina pelos pecados humanos;
  •  falta de higiene, de água tratada e de sistemas de esgotos;
  •   a Peste Negra, que se espalhou pela Europa, no período de 1348 a 1350, matou cerca  de 20 milhões de pessoas;
  • a  Igreja perseguia e matava os opositores através da Inquisição, a partir do século XII;
  •  as crianças eram muitas vezes abandonadas em estradas, bosques ou mosteiros pelos pais, que não tinham como sustentá-las;
  •  as pessoas  procuravam viver de acordo com os mandamentos da Igreja;
  •  o casamento era negociado pelas famílias de acordo com o seu interesse em aumentar a posse de terras, a riqueza e o poder, ou para fortalecer alianças militares. Os noivos não participavam nesses acordos e em muitos casos, só se conheciam no dia da cerimónia (a mulher, com cerca de 12 anos, e o homem com mais do dobro da idade dela). O casamento por amor/de verdade, só passou a existir na Europa por volta do século XVII;
  •  geralmente nas famílias nobres, só o filho mais velho se casava, e os outros tornavam-se membros do clero ou cavaleiros, que partiam para as guerras ou em busca de aventuras e fortuna, já que toda a herança dos pais era reservada para o primeiro filho;
  •  as mulheres que não se casavam iam para conventos ou tornavam-se damas de companhia das  mulheres casadas;
  •  nas famílias camponesas, todos trabalhavam. Além de cuidarem das terras do senhor do feudo, homens, mulheres e crianças faziam a colheita, moíam os grãos e construíam pontes, estradas, estábulos e moinhos. Ao mesmo tempo, cuidavam das suas casas, dos seus animais e faziam trabalhos artesanais e domésticos;
  •  os camponeses viviam em cabanas cobertas de palha, com piso de terra batida e a área interna escura húmida. Em geral as cabanas tinham apenas uma divisão, que servia para dormir e guardar alimentos e até animais. Os móveis, bastante rústicos, limitavam-se à mesa e bancos de madeira e colchões de palha;
  •  ao almoço ou ao jantar, comiam quase sempre pão e uma sopa de vegetais, legumes e ossos. Carne, ovos e queijo eram demasiado caros e só eram consumidos em ocasiões especiais;
  •  maioritariamente a população era analfabeta e falava o idioma da sua região.

 

 

                                       

 

 

 

 

Mas uma coisa é certa: para todos, o sentido da vida, o valor da vida e a relação com a morte eram completamente diferentes dos conceitos actuais do Ocidente. -  na altura,  os marinheiros eram uma família?

  

Como eram os homens da Idade dos Descobrimentos?

 

Não pensavam na sua própria existência como um usufruto (direito) individual, mas como um bem colectivo.

        

Um abandono quase sacrificial animava estas almas. Por tudo isso, a missa de Sanlúcar teve um fervor fora do comum. o 'fervor fora do comum' tem a ver com o facto de eles irem numa viagem, onde não sabem o que vai acontecer, talvez até podem perder a vida ('abandono quase sacrificial')

 

 

Magalhães: tem uma motivação pessoal-já não pode voltar atrás , porque:

  • Em Portugal é um traidor da Pátria-  cheio de rancor (ódio secreto) contra D.Manuel, Magalhães decide voltar as costas a Portugal, renegar a nacionalidade portuguesa e tentar melhor sorte em Espanha;
  • Em Espanha está a ser posto à prova (a sua capacidade no mar- se é bom navegador e a sua lealdade em terra- se é leal ao rei de Espanha);
  • A sua cidadania está dependente desta expedição: se hesitar pode já não ter uma segunda oportunidade como não terá mais nenhum lado para onde ir (seria "traidor" para portugueses e espanhóis)

 

Magalhães deixa em Sevilha o filho bebé e a esposa grávida.

 

Quais os obstáculos e perigos que separam a aramada das Molucas das ilhas das Molucas?

 

  • tempestades;
  • bancos de areia (acúmulo de areia no meio de um curso de água (como um rio) ou ao longo da costa marítima; http://pt.wikipedia.org/wiki/Banco_de_areia
  • monstros;
  • canibais;
  • terras malditas- terras que fariam a desgraça de quem as pisasse - superstições;
  • mares e continentes desconhecidos.

 

                

 

Qual o perigo que mais preocupa Magalhães?

 

O de ser interceptado/(impedido de chegar) por uma expedição portuguesa, pois D. Manuel terá com toda a probabilidade enviado navios de guerra pelo Atlântico com ordens bem precisas de bloquear a expedição e prender o traidor. 

 

Como é feito o percurso da armada?

 

Em vez de atravessar o oceano Atlântico em diagonal para sudoeste, navega directamente para sul ao largo de África até à Serra Leoa e corta para oeste em direcção ao Cabo de S. Roque, na costa nordeste do Brasil. Magalhães segue por uma rota pouco utilizada e pouco conveniente, onde os ventos podem falhar e os navios ficarem dias ou semanas parados. Esta não é a rota declarada em Sevilha. É alterada porquê? Para despistar as buscas das possíveis perseguições da marinha portuguesa.  

 

Como é a viagem?

 

Avançam durante semanas e semanas, mas o avanço é quase nulo. Os marinheiros começam a desesperar e a conspirar. Mas a situação está controlada. A 13 de Dezembro de 1519, passadas onze semanas (três meses) desde Sanlúcar, a âncora é lançada no continente americano. Magalhães tem regras a cumprir e não pode desembarcar em território português, de acordo com o Tratado de Tordesilhas. Mas a armada está já para sul e oeste, quase a cruzar o meridiano da divisão do mundo e entrar no hemisfério espanhol. Magalhães sente-se seguro e inobservado.

 

 

O que é o Tratado de Tordesilhas?

 

Tratado de Tordesilhas, como o próprio nome indica foi assinado na povoação castelhana de Tordesilhas no dia  7 de Junho de 1494, entre os reinos de Portugal e Castela, de modo a definir as áreas de domínio dos territórios ultramarinos, dividindo as terras “descobertas e por descobrir” pelos dois reinos, fora da Europa. Definia uma linha de demarcação localizada a 370 léguas a oeste do arquipélago de Cabo Verde, de pólo a pólo. Caberia a Espanha, as terras do lado ocidental, e a Portugal as do lado oriental.

 

Folha do Tratado de Tordesilhas 

 

 

Gonçalo Cadilhe está na Baía de Guanabara- Rio de Janeiro, Brasil.

 

 

A paragem

 

Decidem parar uns dias numa baía muito bela. Magalhães baptiza-a de Baía de Santa Luzia/Lúcia, mas actualmente é conhecida como Baía de Guanabara.

 

 

     

 

 

   

 

 

João Lopes de Carvalho- um dos pilotos (governa o navio) de Magalhães

 

Em 1512 servia na nau Bertoa que fez escala no Rio de Janeiro para embarcar pau brasil (árvore  cuja madeira é muito resistente). O marinheiro foi a terra e só voltou a bordo quatro anos depois, tendo ficado na Baía de Guanabara a negociar em madeira, estabelecendo a primeira feitoria (grande estabelecimento comercial, geralmente das ex-colónias europeias) portuguesa na futura capital brasileira. No regresso com a expedição de Magalhães, reencontra a namorada índia com um pequeno ''Joãozinho''- o diminutivo dá a ideia de criança, neste caso bebé relativamente a João Lopes de Carvalho, o pai- (filho de ambos). Quando a armada levantar âncora o filho irá acompanhar o pai´. Este ''Joãozinho Lopes de Carvalho'' é um dos primeiros brasileiros modernos e também o primeiro a cruzar o Oceano Pacífico.

 

 

 

 Gonçalo Cadilhe  fica ''envolvido'' na beleza do Rio de Janeiro e aprecia-a. Chega ao cume do Pão de Açúcar no teleférico a que os cariocas (natural ou habitante da cidade do Rio de Janeiro) chamam carinhosamente de ''bondinho''.

 

 

     

 

 

 

      

 

Pão de Açúcar é um pico situado no Rio de Janeiro, na entrada da baía de Guanabara.

 

O Bondinho do Pão de Açúcar é um teleférico localizado na cidade do Rio de Janeiro, no Pão de Açúcar, sendo uma das atrações turísticas. Inaugurado em 27 de Outubro de 1912, já transportou cerca de 37 milhões de pessoas, mantendo uma média atual de 2.500 por dia. O apelido ''bondinho''  vem da semelhança dos carros do teleférico com os bondes que circulavam no Rio na época.

 

Um bonde ou elétrico, é um meio de transporte público.

 

 

 

Gonçalo Cadilhe : Acha a resposta para o embarque dos homens da Europa nos navios dos Descobrimentos- o ''desembarque''.

 

 

 

Quadro- Resumo:

 

 

Gonçalo Cadilhe                Fernão de Magalhães 
  • Viaja até Sanlúcar de Barrameda, que se situa no sul de Espanha 
  • Foi neste local que a tripulação celebrou a última missa em solo europeu no dia 20 de Setembro de 1519. No dia seguinte, a 21 de Setembro de 1519, os navios levantaram âncora e partiram.
  • Os marinheiros embarcaram à procura de: glória; poder; cobiça; o desejo de converter outros povos ao Cristianismo; melhor vida comparativamente ao quotidiano medieval da época; fortuna fácil através da pirataria ou apenas pelo desejo de aventura.
  • Magalhães tem uma motivação pessoal:  em Portugal é um traidor da Pátria-  cheio de rancor (ódio secreto) contra D.Manuel, Magalhães decide voltar as costas a Portugal, renegar a nacionalidade portuguesa e tentar melhor sorte em Espanha; em Espanha está a ser posto à prova (a sua capacidade no mar- se é bom navegador e a sua lealdade em terra- se é leal ao rei de Espanha) e a sua cidadania está dependente desta expedição: se hesitar pode já não ter uma segunda oportunidade como não terá mais nenhum lado para onde ir.
  • O  percurso tem vários perigos,mas o que mais preocupa Magalhães é o de ser interceptado por uma expedição portuguesa.
  •  Percurso feito: em vez de atravessar o oceano Atlântico em diagonal para sudoeste, navega directamente para sul ao largo de África até à Serra Leoa e corta para oeste em direcção ao Cabo de S. Roque, na costa nordeste do Brasil. Magalhães segue por uma rota pouco utilizada e pouco conveniente, onde os ventos podem falhar e os navios ficarem dias ou semanas parados. Esta não é a rota declarada em Sevilha. É alterada porquê? Para despistar as buscas das possíveis perseguições da marinha portuguesa.  
  • Avançam durante semanas e semanas, mas o avanço é quase nulo. Os marinheiros começam a desesperar e a conspirar. Mas a situação está controlada. A 13 de Dezembro de 1519, passados três meses da partida, a âncora é lançada no continente americano. Magalhães tem regras a cumprir e não pode desembarcar em território português, de acordo com o Tratado de Tordesilhas. Mas a armada está já para sul e oeste, quase a cruzar o meridiano da divisão do mundo e entrar no hemisfério espanhol. Magalhães sente-se seguro e inobservado.

 

  • GC está na Baía de Guanabara- Rio de Janeiro, Brasil.
  • Anda de teleférico e chega ao cume do Pão de Açúcar.
  • Gosta da região. 
  • Acha a resposta para o embarque dos homens da Europa: o desembarque. 
  • A armada está na baía de Santa Luzia/Lúcia, baptizada pelo navegar, mas hoje é conhecida por Baía de Guanabara.
  • Como um dos pilotos de Magalhães conhecia a região, ficou responsável pelo reabastecimento dos navios.
  • João Lopes de Carvalho prestou serviço na nau Bertoa, que fez escala no rio de Janeiro para embarcar pau-brasil em 1512.
  • Ficou na região durante quatro anos, a negociar a madeira, estabelecendo a primeira feitoria portuguesa no Rio de Janeiro.
  • Com a expedição de Magalhães reencontra a sua namorada agora com um filho de ambos. Este ''Joãozinho'' Lopes de Carvalho será um dos primeiros brasileiros modernos e será o primeiro a cruzar o Oceano Pacífico. 
  • O filho do piloto irá acompanhar Magalhães na expedição. 

 

 

Citações:  

  • ''É facil compreender a escolha de Carvalho, sobretudo quando se chega ao cume do Pão de Açúcar (...)'';
  • ''(...) não há outra igual a esta (...)'' 

 

 

 


 

 

LETRAS A BORDO (PÁG.99 À PÁG.102)

(Devido aos registos da expedição; relacionado com os registos literários)

 

 

Gonçalo Cadilhe está em Paraty- Rio de Janeiro, Brasil.

 

Paraty é um município no litoral oeste do estado do Rio de Janeiro, Brasil.

 

         

 

 

        

 

 

Paraty:

  • chega-se por mar;
  • tem montanhas abruptas (com um grande declive/bastante inclinadas);
  • florestas impenetráveis (densas);
  • está entre cabos e ilhotas;
  • é uma zona exclusiva aos mais ricos; 
  • é um privilégio chegar por mar ao local, apenas os ricos que tenham um iate ou os que trabalhem num- desde os armadores e proprietários aos que saibam navegar: dar nós, içar velas, ler estrelas, seguir correntes, polir amuradas (envernizar/dar brilho às ''paredes'' do barco), envernizar mastros;
  • as restantes pessoas chegam ao porto caminhando pelo terminal de autocarros, que é também um privilégio.

 

Gonçalo Cadilhe : ''Estar aqui, neste lugar iluminado à face da Terra e à borda do mar, é sempre uma regalia''.

 

Ao longo de séculos de navegação, os que esperavam os navegadores descobriram o antídoto para o feitiço de navegar. Ergueram cantos de sereia em pedra e cor e harmonia vertical (SIM, CONSTRUÇÕES), abraços de abrigo que surgiam da linha de água e se ofereciam à atenção dos que passavam ao largo. Assim se explica Paraty. 

Paraty devia ser um local tão extrordinario, que levava os marinheiros a perderem a vontade de navegar. E estão ai algumas caracteristicas de Paraty que os levam a isso.

 

Gonçalo Cadilhe : ''Eu só sei escrever. Sou um inútil a bordo''.

 

Como está organizada a Armada das Molucas?

 

     

Fernão de Magalhães e Juan Sebastián Elcano- nau Trinidad;

Álvaro de Mesquita- nau San Antonio;

Gaspar de Quesada- nau Concepción;

Luís de Mendoza- nau Victoria;

João Serrão- nau Santiago.

 

 

Nas cinco naus da Armada das Molucas seguem mais de duas centenas e meia de homens. Todos são homens de mar- perífrase para navegadores/marinheiros.

Excepto um, Antonio Pigafetta. 

 

 

Antonio Pigaffeta:

 

  • Não é um homem de mar (não sabe distinguir uma âncora de um astrolábio-sentido figurado), não sabe dar nós, içar velas, ler estrelas nem seguir correntes;
  • É um jovem italiano de Vicenza; 
  • Homem de letras (perífrase para escritor ou cronista, como no caso de homens do mar);
  • É o cronista (historiador/o que escreve a crónica (história que expõe os factos, narrando e segundo a ordem em que eles se vão dando) oficial da expedição (pág.17);
  • Ao serviço do embaixador (representante máximo do chefe de um Estado junto de um outro Estado) do Vaticano-Andrea Chiericati- chega em 1518 a Valladolid, que na altura era a sede (lugar onde se concentra o poder ou a administração) da corte espanhola;
  • Descobre que em Sevilha se prepara uma expedição aos limites do mundo/ao infinito/a terras desconhecidas;
  • Consegue ser admitido como membro da tripulação;
  • Pensa-se que pode ter sido um ''espião'' ao serviço de Carlos V, de modo a ''proteger'' as Ilhas das Especiarias caso estas se encontrassem em território português, de acordo com o Tratado de Tordesilhas;
  • Embarca de livre vontade ''empurrado'' pelo desejo de aventura e motivado por uma curiosidade humana;
  • ''(...) põe a vida em risco pela alegria de ver, de aprender, de admirar, de se maravilhar''.
  • ''Sabe escrever. Não é um inútil a bordo'' ;
  • Sem Pigaffeta não saberíamos com precisão como decorreu a primeira viagem de circum-navegação do globo, já que foi o responsável por relatar todos os acontecimentos durante aquela viagem que mudou o mundo;
  • Quase inventa a antroplogia quando a Armada chega ao Brasil e pela primeira vez o italiano contacto o ''outro''.  O 'outro' deve-se ao facto de ser o desconhecido.
  • Na baía de Guanabara o mundo nativo torna-se o seu alvo das atenções e por isso descreve tudo o que vê;
  • Espíritco crítico, cepticismo, método científico e observação directa são ferramentas dispensáveis na bagagem do italiano: ou porque ainda não foram inventadas, ou porque não se enquadram na liberdade de imaginação que a Europa tem ainda sobre tudo o que não conhece;
  • Na costa do Brasil dá uma improvável explicação para a origem do canibalismo
  • Ao largo de Timor descreve improváveis pássaros com asas tão largas que conseguem transportar elefantes e homens com orelhas tão grandes que dormem cobertos por elas.
  • Pigaffeta certificou-se que a expedição alcançaria a eternidade, escrevendo-a e descrevendo-a. Sem ele, os factos teriam sido alterados para proteger desertores (aquele que abandona), revoltosos, traidores e cobardes;
  • O nome de Fernão de Magalhães ficou na História devido a Pigaffeta;
  • Desmascarou os que o traíram;
  • Soube descrever a maior expedição aos limites do mundo com admiração/espanto, simplicidade, entusiasmo (paixão, força) e talento literário;
  • É um tripulante obcecado com a medida do mundo, sendo a medida baseada na relatividade cultural, na diversidade racial e na riqueza linguística; 
  • O italiano interessa-se bastante sobre quatro ''maravilhas'' humanas na sua viagem de circum-navegação: os tamoios (índios da tribo do Rio de Janeiro) da baía de Guanabara; os tehuelches (patagões) da baía de San Julián; os chamorros (habitantes desta ilha) da ilha de Guam e os habitantes das ilhas centrais das Filipinas;
  •  Viaja livre dos dogmas (os que ''sabem'' tudo) da Idade Média (entre os séculos V e XV) , viaja com uma perspectiva (um modo de ''ver'') renascentista (renascimento- séculos XV e XVI, assinala o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna) onde o Homem se encontra no centro do Universo;
  • Escreveu a obra Primo Viaggio Intorno al Mondo (Primeira Viagem à Volta do Mundo);
  • O autor propõe-se contar aos leitores a sua viagem, tanto para os entreter como para lhes ser útil e conseguir ao mesmo tempo fazer-me um nome que chegasse à posteridade (futuro);
  • O seu desafio é entreter o leitor europeu com a forma de vida, a cultura e a linguagem do selvagem extra-europeu;
  • A longa travessia do ''mar-deserto'' Atlântico deixa-o indiferente: um mundo sem pessoas não merece ser contado; 
  • Pigaffeta não perde um momento, anota tudo. Quando pode, exagera. Mas não precisa de exagerar para entreter; 
  • Começa um dicionário de Tehuelche-Espanhol; 
  • Pigaffeta anota com pena que ''Paulo'' morre beijando e abraçando a cruz;
  • Pigaffeta cumpre com tanto profissionalismo e sentido de missão o seu papel de embaixador que para não quebrar o protocolo, aceita a comida que  é preparada em sua honra; 
  • Pigaffeta percebeu qual tinha sido ó problema da diferença de data: Deus tinha-o castigado por ter comido aquela maldita carne de porco em Limasawa;
  • Pigaffeta é o fiel admirador de Magalhães
  •  Durante a batalha em que Magalhães foi morto em Mactan-Filipinas, Pigafetta foi um dos feridos. Conseguiu recuperar e mais tarde encontrava-se entre os dezoito sobreviventes a bordo do Victoria, que voltaram à Espanha, três anos após a partida; 
  • A Pigaffeta cabe a parte mais dificíl: a de contar o fim da viagem iniciada por Magalhães, que será agora completada por Sebastián Elcano, navegando na metade conhecida do mundo;

  •  Itália não reconheceu Antonio Pigaffeta

 

 

Mais importante de Pigaffeta a roxo.

 

 

         

 

 

 

 

Como chegou até nós o registo da viagem de Magalhães? - Além do livro de Pigaffeta

 

  • Diário de bordo do piloto grego Francisco Albo, que inclui informações extremamente profissionais e exactas: 

 

  1. da rota da Armada;
  2. do documento de um anónimo mencionado como ''piloto Genovês'';
  3. de uma descrição do imediato (depende só de um chefe) andaluz (natural de Andaluzia-sul de Espanha), Ginés de Mafra;
  4. de um pequeno resumo da viagem atribuído a um marinheiro português, Vasquito Galego.

 

 

  • Descrições que algumas testemunhas deixaram da viagem, baseadas em informações recebidas directamente de alguns tripulantes: 

 

  1. documento do comandante português que capturou /prendeu um dos navios de Magalhães nas Molucas, António de Brito;
  2. documento dos dois secretários de Carlos V- Pedro Mártir de Anghiera (italiano) e Maximiliano Transilvano (flamengo- de Flandres, Bélgica).

 

  • Trabalhos de cronistas da época:
  1. João de Barros e Fernão Lopes de Castanheda, que foram impiedosos no seu julgamento de Magalhães;
  2. Damião de Góis e António Galvão, mais compreensivos .

 

 

 

 

Quadro-Resumo: 

 

Gonçalo Cadilhe  Fernão de Magalhães 
  • Chega a Paraty-Rio de Janeiro, Brasil, caminhando desde o terminal de autocarros;
  • ''Compara-se'' a Antonio Pigaffeta, pois este era também um homem de letras.
A tripulação conseguiu chegar a Paraty.        

Citações:

  • ''Eu só sei escrever. Sou um inútil a bordo''.
  • ''Mas sabe escrever. Não é um inútil a bordo''. 

 

 

 

 

 


 

(o resto do trabalho continua na página 10cgrupo8-2) Link: 10cgrupo8-2  ou http://nospassosdemagalhaes.pbworks.com/w/page/64903710/10cgrupo8-2

Comments (5)

ana.sancho@djoaoii.com said

at 4:36 am on Mar 27, 2013

Estou bastante confiante no vosso trabalho. Estão a documentar-se adequadamente. Depois é preciso fazer síntese e pensar na APRESENTAÇÃO.
CONTINUEM!!

Inês Reis said

at 4:03 pm on Mar 27, 2013

Professora criei uma nova página 10cgrupo8-2 porque esta já estava bastante sobrecarregada. Na nova página estará a continuação do trabalho.

ana.sancho@djoaoii.com said

at 5:32 am on Mar 28, 2013

JÁ A VISITEI!

ana.sancho@djoaoii.com said

at 6:48 am on Apr 1, 2013

Fiz pequenas correções/explicações;
Alguns pormenores são mesmo para deixar caír.

Inês Reis said

at 1:52 pm on Apr 27, 2013

*PÁGINA PRONTA*

You don't have permission to comment on this page.